Publicidade 01

Slider

Imagens de tema por kelvinjay. Tecnologia do Blogger.

publicidade

publicidade

Text Widget

Sample Text

TV 100 Barreiras

GERAL

CLIQUE E VEJA AS NOVIDADES!

SAÚDE

ENTRETENIMENTO

ESPORTE

FOTO DO FATO

» » Justiça condena De Assis a 31 anos de prisão pela morte de Adriana Tavares


Nesta quarta-feira (9), foi realizado o julgamento de Francisco de Assis, acusado do assassinato da professora Adriana Tavares, crime ocorrido em outubro de 2014, na zona rural de Campo Maior (PI). Assis também era acusado pela tentativa de homicídio contra sua ex-esposa, Maria das Dores. 

Francisco de Assis foi levado a júri popular e condenado há 31 anos dois meses e 10 dias de prisão, em regime fechado. A defesa terá cinco dias para recorrer da decisão. 

O julgamento foi realizado durante todo o dia desta quarta-feira (9), início às 9h da manhã e término por volta das 18 horas. 

Ao longo do dia várias testemunhas de acusação e defesa foram ouvidas. A professora Marias das Dores, ex-companheira de Assis, prestou depoimento. Durante sua fala, ela disse que no dia em que foi atacada juntamente com a professora Adriana Tavares, o acusado estava usando capacete, mas viu claramente e reconheceu que era Assis, porque a viseira estava aberta. 

Bastante emocionada, a mãe de Adriana, Nonata Tavares, também falou no tribunal. A senhora relatou que é a mesma mulher depois da morte da filha. “Eu não sou mais a Nonata que eu era. A Minha vida acabou”, relatou. A senhora ainda afirmou o uso de remédios controlados pois desenvolveu um quadro depressivo. 

Após as oitivas das testemunhas, foi realizado o debate entre defesa, representada polo advogado Décio Mota, e acusação feita pelo promotor Luciano Nogueira. Posteriormente o juiz Mucio Miguel Meira, leu a sentença. 

De Assis foi condenado pelo homicídio de Adriana Tavares e pela tentativa de homicídio contra a ex-companheira Maria das Dores. Juntos, os dois delitos somaram a pena total de 31 anos, 2 meses e 10 dias de reclusão em regime fechado. 

A irmã de Adriana, Francisca Tavares, relatou sentimento de felicidade com o resultado do julgamento.  “Me sinto feliz, pela justiça ter sido feita, apesar que ela não volta mais para nós. Mas graças a Deus, a justiça foi feita. Os órgão competentes fizeram a justiça, espero que seja cumprida”, comentou.

Fonte: Emfoco

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga